quinta-feira, 21 de maio de 2015

Série Banda: Maria Gasolina, Show em 1990

É, aí está a prova que eu já fui músico mesmo. Ou melhor, tentei ser músico.
Eu estou tocando bateria, olha o detalhe do cabelo da criatura, na época era mega fashion, hj é ridículo....kkkkkk
Este foi o último show da banda Destino Final, no II Pop Música, no clube comercial em Cachoeira do Sul, a música Maria Gasolina.
Eu já estava podre de cansado, tinha faltado ao ensaio à tarde, ensaio de passar o som, fiquei a tarde inteira jogando bola..kkkkk
Aí no início da música eu falo para o Alexandre, o vocalista, cara eu não aguento mais, estou cansado, então nem faz a apresentação de cada elemento da banda.
A gente tinha combinado que na minha apresentação eu faria um solo de bateria, mas que jeito, não conseguia nem tocar direito...kkkkkkkkk
Mas valeu pela banda, tivemos bons momentos juntos...


Série Música Eletrônica, de 1998

Por volta de 1998, eu acabei fazendo um CD de música eletrônica, mas depois de umas críticas nada favoráveis na época, eu acabei desistindo de seguir.
Vou mostrar 3 músicas que eu fiz pra vocês. Na época eu inventei o nome de Dj Cleto, coisa ridícula esta nome.....
Espero que gostem..




terça-feira, 19 de maio de 2015

Séries Poesias: Medo de passar despercebido (19/05/2015)

Medo de passar despercebido

Ao andar pela rua sentindo o vento no rosto,
Olho para o lado, não vejo ninguém, me sinto exposto.
Meus pensamentos voam, eu busco proteção.
O meu andar calmo, me faz entrar em uma profunda reflexão.

"Sinto-me totalmente desprotegido,
Estou sozinho agora, correndo um grande perigo,
Tenho medo enorme de passar despercebido." (Estr)

Não é justo chegarmos em uma certa idade e não sabermos o que pensar,
Tendo várias historias e alegrias e não ter com quem compartilhar.
A idade faz a gente ver coisas que nunca alguém viu,
Ficamos procurando e buscando alguém que, talvez, nunca existiu,

(Estr)

A exigência demasiada me fez um cara muito inflexível,
Preso dentro de um castelo,  totalmente intransponível.
Você vê a vida passando, e percebe seu sorriso indo embora,
Nota a amargura crescendo, tomando conta por dentro e por fora.

Cada vez mais, me sinto entristecido.
Não tenho gostado do  jeito que tenho agido.
E continuo com medo enorme de passar despercebido.


Esta letra eu fiz, imaginem só, quando eu desci do "busão" pra ir pra casa, e adivinhem me veio a cabeça a música do Roberto Carlos - "Sentado à beira do caminho", na parte que fala "Preciso acabar logo com isto, preciso lembrar que eu existo, que eu existo, que eu existo...". E não sei o motivo que começou a vir na minha cabeça isto. Aí comecei a pensar nesta parte da música que é mega deprimente e me inspirou para escrever esta letra.

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Séries Poesias: Geniosa (17/05/2015)

Geniosa (17/05/2015)

Dênia, por quê você foi indomável?
Sempre tao implacável,
A ponto de me sufocar.
Por que ser tão egoísta assim?
Querer tudo de mim?
Sem me deixar te amar...

Ô Dênia, não vê o que estás fazendo?
Onde esta se metendo?
Por favor, me deixa respirar.
Me diz,o que houve contigo?
Onde esta o teu sorriso?
Quando você vai despertar?

Dênia, a magia que tivemos,
Cada beijo que nos demos,
Jamais irão voltar.
Eu quero ser só teu amigo,
Estar do teu lado assim contigo,
Um irmão a te abracar.

Ô Dênia, você não pode viver assim,
Sentir tanta raiva de mim.
Você precisa superar.
A amargura te corrói,
Te ver assim ainda me dói.
Você precisa parar de revidar.

Dênia, pare de tentar me atingir,
você tem uma vida a seguir,
E eu vou sempre te apoiar.
Siga em frente mas com destreza.
Não esconda do mundo tua verdadeira beleza.
E com certeza voltará a amar.


Prezados, apenas uma declaração, não existe nenhuma Dênia na minha vida, exceto uma ex-colega muito gente boa do ensino médio, mas esta letra não tem nada a ver com ela.(Humberto Gessinger fez "Refrão de bolero" falando de uma Ana que não existia) Eu tinha escolhido a palavra Genia, mas não ficou legal a sonorização da letra, então procurei um nome de sonoridade próxima e escolhi Dênia. Não vivi a história acima, nem de perto. Eu fiz esta letra, me lembrando da Tiffany (Jennifer Lawrence de Jogos Vorazes), no filme "O lado bom da vida" (Silver Linings Playbook), que eu sei que fazia o papel de uma viúva. Imaginei que o marido dela fosse vivo e fiquei pensando, como é que um cara iria conseguir terminar o relacionamento com uma maluca daquelas, aí saiu a letra.
Espero que gostem.

domingo, 3 de maio de 2015

Séries Poesias: Perda (03/05/2015)

Certa vez, me vi tateando no escuro
Sem a felicidade que mentalmente ainda procuro
Difícil aceitar a queda, isto nos torna duro
Que tristemente aflora o nosso lado obscuro

Não sabemos lidar com a perda
Parece que sempre estamos virando sempre à esquerda
Andando em círculos de maneira constante.
E não conseguimos dar nem um passo adiante.

É triste ver como ficamos abatidos
A uma derrota a que somos acometidos
Um vazio crescente que nos deixa deprimidos
Sem forças alguma, nos sentimos preteridos

Sentir a falta e não poder mais tocar
Sentir o perfume, mas não poder respirar
Ver o momento, mas não poder mais enxergar
Sozinho andando, sem poder compartilhar.

Nunca, ninguém vai conseguir entender
E esta dimensão apenas eu vou saber
E por muito tempo vou ficar obscuro

Sozinho, andando, tateando no escuro.