segunda-feira, 18 de maio de 2015

Séries Poesias: Geniosa (17/05/2015)

Geniosa (17/05/2015)

Dênia, por quê você foi indomável?
Sempre tao implacável,
A ponto de me sufocar.
Por que ser tão egoísta assim?
Querer tudo de mim?
Sem me deixar te amar...

Ô Dênia, não vê o que estás fazendo?
Onde esta se metendo?
Por favor, me deixa respirar.
Me diz,o que houve contigo?
Onde esta o teu sorriso?
Quando você vai despertar?

Dênia, a magia que tivemos,
Cada beijo que nos demos,
Jamais irão voltar.
Eu quero ser só teu amigo,
Estar do teu lado assim contigo,
Um irmão a te abracar.

Ô Dênia, você não pode viver assim,
Sentir tanta raiva de mim.
Você precisa superar.
A amargura te corrói,
Te ver assim ainda me dói.
Você precisa parar de revidar.

Dênia, pare de tentar me atingir,
você tem uma vida a seguir,
E eu vou sempre te apoiar.
Siga em frente mas com destreza.
Não esconda do mundo tua verdadeira beleza.
E com certeza voltará a amar.


Prezados, apenas uma declaração, não existe nenhuma Dênia na minha vida, exceto uma ex-colega muito gente boa do ensino médio, mas esta letra não tem nada a ver com ela.(Humberto Gessinger fez "Refrão de bolero" falando de uma Ana que não existia) Eu tinha escolhido a palavra Genia, mas não ficou legal a sonorização da letra, então procurei um nome de sonoridade próxima e escolhi Dênia. Não vivi a história acima, nem de perto. Eu fiz esta letra, me lembrando da Tiffany (Jennifer Lawrence de Jogos Vorazes), no filme "O lado bom da vida" (Silver Linings Playbook), que eu sei que fazia o papel de uma viúva. Imaginei que o marido dela fosse vivo e fiquei pensando, como é que um cara iria conseguir terminar o relacionamento com uma maluca daquelas, aí saiu a letra.
Espero que gostem.

Nenhum comentário: